domingo, 16 de dezembro de 2012

Lançamento CD "Jornada"


O violonista e compositor Marco Leonel Fukuda lança "Jornada", 2º disco de sua carreira,  em homenagem ao Centenário do Theatro José de Alencar (1910-2010). 

O projeto de gravação de CD musical inédito foi contemplado no Edital das Artes 2010 da Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor). Produção da Tembiú - Alimento de Alma, gravação na Casa de Música e no estúdio Imagem.Som, design do Estúdio Pã, e co-produção do selo independente Radiadora Cultural.  



"Ciliares" chega ao Uruguai


A música não possui fronteiras, pois ela comunica sentidos e sentimentos diretamente para a alma. Atravessa os nossos corpos e sensibiliza a escuta. E mesmo quando a música encontra resistências no cenário cultural restrito de uma determinada localidade, é como se ela se expandisse à procura de oxigênio e renovação. Foi assim que "Ciliares", uma composição instrumental para violão de minha autoria, conseguiu viajar desde Fortaleza para chegar às ondas da Rádio Comunitária El Chasque FM, do distrito de Cerro Pelado, de Rivera, no Uruguai.

A partir de encontros no II Seminário Latino-Americano de Rádio e Educação, realizado em novembro de 2012 em Fortaleza, professores e radialistas do nosso continente puderam trocar experiências sobre o panorama do rádio educativo na América Latina. E dentre essas trocas, situamos naturalmente o compartilhamento da diversidade musical dos nossos países, os hermanos latino-americanos. Talvez por intermédio dos encontros entre as músicas desses vizinhos geográficos é que se pudesse realizar o antigo sonho de fraternidade e de integração cultural e política do visionário Simón Bolívar. Um vínculo sem dúvida muito mais forte do que o mero acordo comercial do bloco econômico do Mercosul.

"Ciliares" havia sido classificada em 2º lugar na categoria Música Instrumental do I Festival de Música da Rádio Universitária FM do Ceará em 2010, e posteriormente lançada em um CD em uma lista de dez músicas vencedoras do evento. Desde já, agradeço ao professor Julio Correa pela oportunidade de intercâmbio cultural e de diálogo com a produção contemporânea da música latino-americana. Vamos ouvir o encerramento do programa "3º Bloque Informativo", de 14 de novembro de 2012.





"Ciliares" está presente no repertório de "Jornada", segundo disco da minha carreira, que vou lançar este mês no Theatro José de Alencar.


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador


Especial 100 anos de Luiz Gonzaga


Produção de programa Especial de rádio pelos 100 anos de Luiz Gonzaga (1912-1989), veiculado no dia 13/12/2012, dia de aniversário do Gonzagão, às 15h, na Rádio Universitária FM - 107,9 MHz. 

Uma seleção musical comentada, privilegiando a obra de Gonzagão, com canções e músicas instrumentais executadas por ele e por outros artistas brasileiros como Gonzaguinha, Alcione, Quinteto Violado, Syntagma, Milton Nascimento e Banda Sinfônica da Cidade do Recife. 

Disponível para download gratuito via soundcloud.com







Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

sábado, 1 de dezembro de 2012

2º dia da I Mostra Bora!



A 1ª Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo, cujo projeto foi premiado pelo III Edital de Concurso Público / Prêmio de Música na Cidade de Fortaleza 2010, da Prefeitura Municipal de Fortaleza, via sua Secretaria de Cultura, chega ao segundo dia de evento, no dia 02/12/12, no coreto do Passeio Público de Fortaleza. O encontro musical de amanhã promovido pelo movimento Bora! Ceará Autoral Criativo reúne os artistas Daniel Sombra, Argonautas, Edinho Vilas Boas, Jânio Florêncio e Jefferson Portela.
A realização do evento fica por conta da Radiadora Cultural e do Instituto Bora! Ceará Autoral Criativo. A coordenação geral de produção da Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo ficará sobre a responsabilidade do compositor e produtor cultural Alan Mendonça.
Será uma agradável tarde de domingo à sombra do baobá, com vista privilegiada para o mar. Aos interessados fica a sugestão de levarem lanches e toalha de pique-nique, para poder curtir o espaço do Passeio Público e prestigiar a produção contemporânea da música cearense.

Serviço
I Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo
02/12 e 09/12 - Domingos
de 14h30 às 17h
Coreto do Passeio Público de Fortaleza
Mais informações: (85) 9944-2220

Fonte: Alan Mendonça

Concertos Solidários 2012 em Fortaleza



A série Concertos Solidários de 2012 realizou apresentações musicais em formato de festival-escola, com recitais didáticos, aulas-espetáculo, lançamentos de livros, discotecagem de DJs e encontros com colecionadores de música. A série iniciou entre os dias 10 e 13 de novembro em Canindé, para continuar a segunda fase entre 26 de novembro e 1º de dezembro em Fortaleza.

Hoje, no dia 1º de dezembro, encerram-se as atividades dos Concertos Solidários, que reuniu música para elevar o espírito, além de doações de alimentos para instituições humanitárias da capital cearense.

Serviço
Concertos Solidários 2012
1º/12/2012
A partir das 13h no Passeio Público
e às 15h na Praça dos Leões
Entrada franca
Leve um kg de alimento não-perecível
Mais informações: (85) 8635-3999

Leia mais
Semana de Música e Solidariedade Caderno 3 - Diário do Nordeste - 26/11/2012

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo




A 1ª Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo, cujo projeto foi premiado pelo III Edital de Concurso Público / Prêmio de Música na Cidade de Fortaleza 2010, da Prefeitura Municipal de Fortaleza, via sua Secretaria de Cultura, será um evento que acontecerá em 3 domingos seguidos no coreto do Passeio Público de Fortaleza, dias 25/11, 2/12 e 9/12.
Serão 3 dias de evento, com a participação direta de 15 artistas e/ou grupos fortalezenses de uma nova música feita em Fortaleza, a saber: Edinho Vilas Boas, Jefferson Portela, Jânio Florêncio, Marco Leonel Fukuda, Renegados, Daniel Sombra, Simone Sousa, Aparecida Silvino, Fulô da Aurora, Felipe Breier, Lídia Maria, Joyce Custódio, Osvaldo Zarco, Argonautas e Davi Silvino.
Em cada dia do evento, acontecerá 5 “pockets” shows, montando, assim, um grande show desta música fortalezense contemporânea.
            A realização do evento fica por conta da Radiadora Cultural e do Instituto Bora! Ceará Autoral Criativo. A coordenação geral de produção da Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo ficará sobre a responsabilidade do compositor e produtor cultural Alan Mendonça.

Serviço
I Mostra Bora! Ceará Autoral Criativo
25/11, 2/12 e 9/12 - Domingos
de 14h30 às 17h
Coreto do Passeio Público de Fortaleza
Mais informações: (85) 9944-2220

Fonte: Alan Mendonça
___________________________________________________

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

"Sou cantador" - Grupo Vocal Seios da Face


O Grupo Vocal Seios da Face, projeto de extensão da Área da Saúde da Universidade Federal do Ceará (UFC), estreia temporada do novo espetáculo "Sou Cantador" em Fortaleza. O repertório é construído a partir de influências como o cancioneiro tradicional nordestino e a música popular brasileira na abertura para o universal. Ritmos como coco, maracatu e ijexá dialogam com o lirismo dos Beatles e a irreverência de Rita Lee. 

Os arranjos são pensados para vozes femininas acompanhadas por violão, cavaquinho e percussão. O grupo Seios da Face também trabalha na perspectiva do coro cênico, em que o conjunto de cantoras se movimenta em cena para ilustrar  cada canção. "Sou Cantador" apresenta uma pesquisa artística integrada de linguagens de percussão corporal, percussão vocal, teatro e sapateado realizada pelo grupo Seios da Face, tendo o canto como ponto de partida e de encontro.


Serviço
"Sou Cantador"
Grupo Vocal Seios da Face
Regência: Alessandra Araújo

22/11/12 e 06/12/12 
SESC Emiliano Queiroz
Rua General Clarindo de Queiroz, 1740
Centro - Fortaleza/CE
20h
Ingressos: R$5 / R$10

15/12/12
SESC Senac Iracema
Rua Boris, 90
Praia de Iracema - Fortaleza/CE
21h
Ingressos: R$3 / R$6
Quem trouxer um kg de alimento não-perecível paga meia entrada

 
Leia mais
Seios da Face - Ceará Sonoro - Rádio Universitária FM (2011)


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

Sons do cotidiano nº 1


 
Fortaleza, 15 de novembro de 2012.

Gravação doméstica realizada em pleno feriado, "zappeando" os canais da televisão na sala de estar, e os alimentos sendo preparados na cozinha, no quarto a mudança de sintonia do receptor de rádio. Os sons do cotidiano entrecortados pelos latidos da cadela da casa, os sons da rua que invadem o apartamento. Ao final, um violão é afinado para tocar as últimas notas sonoras da gravação daquele dia.

Gravado com a placa M-Audio Fast Track Pro e um microfone condensador AKG Perception 170, utilizando o software Cubase.

Exercício para a disciplina Produção Publicitária para Rádio, da profª Andrea Pinheiro, do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Trabalho inspirado no conceito de "Paisagem Sonora" do teórico e compositor canadense Raymond Murray Schafer, autor dos livros O ouvido pensante e A afinação do mundo.


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Os trilhos do Mucuripe


Lembro de quando vivíamos na Varjota, e um dia acordei surpreso com o som de uma buzina contínua no meio da madrugada. Esse som tinha tantas camadas que, a princípio, eu não sabia muito bem identificar com clareza. Sabia que não era de automóvel, porque o avançado da noite não permitia um som tão forte e prolongado cortando nossos silêncios. Percebi naquele fenômeno sonoro uma distante ponta aguda que reverberava partindo para o grave; podia ser bem aquele negócio de efeito Doppler que a gente estuda na escola, mas nem sempre entende direito no cotidiano. 

Curioso, passei pelo corredor do apartamento, com intenção de ouvir melhor antes de ir para a cozinha beber um copo d’água. Parei na porta do último quarto para falar baixinho com minha mãe: - Que som é esse? É o som de um trem, meu filho, respondeu sonolenta, e ele vai pela Via Expressa rumo ao Porto do Mucuripe.

Ela pouco tempo depois de me dizer aquilo deve ter adormecido, mas o impacto daquela resposta me deixou aceso, fascinado. Tudo fez total sentido, quando liguei o ruído metálico dos trilhos à etérea buzina. Olhei pela janela e vi um conjunto interminável de vagões pesados, seguindo com pressa para o ponto final onde as velas dos jangadeiros saem para começar a pescaria noturna. Fiquei na dúvida por um instante se morar perto da zona de passagem do trem era incômodo, um distúrbio de poluição sonora, ou se era mesmo um privilégio estético, do acesso auditivo a um som que nem sabemos se a próxima geração irá (re)conhecer.

Minha família fixou residência em Fortaleza no final do ano de 2006. Migramos de Brasília, capital que viu crescer a mim, a meu irmão e nascer o nosso caçula. O metrô só chegou no começo dos anos 2000. Por ser debaixo da terra e no meio do Plano Piloto, lá a gente não ouvia tão próximo como no quarteirão de casa. A descoberta do som desse trem cargueiro de superfície me levou a um passado distante, a um estímulo que antes meus ouvidos não haviam experimentado. Despertou em mim informações de uma memória ancestral, referência simbólica presente na linhagem familiar materna.

Outro dia li em um trecho do livro Bagagem, da poetisa Adélia Prado, o seguinte: "Um trem-de-ferro é uma coisa mecânica, / mas atravessa a noite, a madrugada, o dia, / atravessou minha vida, / virou só sentimento.” Coincidência ou não, o que diz a escritora mineira de Divinópolis atinge a gente de forma profunda, porque a cidade dela fica a apenas duas horas de distância da terra natal da minha mãe, Piumhi (pium-hi, “mosca d’água” em tupi guarani, mas que se lê Piuí, justamente a onomatopeia do barulho da buzina do trem). 


Se fosse locomotiva, o rio São Francisco começaria o percurso ali naquela região, na estação da Serra da Canastra. Desceria da nascente pela gelada Casca Danta, a primeira cachoeira, e seguiria viagem dos mananciais das alterosas de Minas Gerais até o Atlântico, passando por boa parte do Nordeste brasileiro. Daqui a algum tempo, transposto com a expansão dos trilhos aquáticos, o Velho Chico vai encontrar finalmente as águas sertanejas do Ceará, para onde viemos como tantos mineiros, buscando o mar, a brisa e a qualidade de vida do litoral.

A partir daquela madrugada, ouvir o trem se tornou para nós como um vínculo sonoro da nossa condição de andarilhos. O som trazia a lembrança de quem parte de um lugar longínquo com sonhos e um sentido de pertencimento, de raízes, um traço típico do imaginário daqueles que vêm de Minas. Uma tia minha, que é o museu vivo das histórias do clã dos Leonel, conta que meu bisavô foi tropeiro levando mercadorias nas tropas de mulas por léguas a perder de vista. Era de um espírito viajante que passou para as gerações seguintes, para o meu avô fazendeiro, que tentou a sorte nos garimpos do interior do Pará. Os assobios desse trem, com o tempo, tornaram-se familiares, talvez comuns como o zumbido da geladeira, porém um elemento muito mais afetivo e poético da paisagem sonora. 


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador


Leia mais

imagens: www.cinemaemdebate.com
             www.portaldocamaleaophb.blogspot.com

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Bom Som nº 2

 
  Marco Leonel Fukuda
 
Música na universidade

O Festival UFC de Cultura está com inscrições abertas para a V Mostra Universitária de Bandas até o dia 27 de setembro. A edição deste ano do maior evento cultural do calendário acadêmico da Universidade Federal do Ceará terá como tema “Pão, Modernismo e revoluções na arte brasileira”, inspirado em movimentos de vanguarda como a Padaria Espiritual e a Semana de Arte Moderna de 1922. Os interessados, antes de submeter três músicas autorais para a seleção, deverão refletir sobre os trabalhos para se afinarem com os ideais defendidos por esses movimentos, como a originalidade, o senso crítico e a valorização da diversidade das culturas local e nacional. A música no Ceará passa por uma fase em que debates nessa linha são imprescindíveis, e os organizadores desse evento na UFC devem ser cumprimentados por colocar novamente em pauta a renovação contínua e necessária historicamente no campo das artes. Para as próximas seletivas dos dias 3 e 5 de outubro, há critérios curiosos como a obrigatoriedade de, no mínimo, um integrante de cada banda ser aluno regularmente matriculado na UFC. 


Empreendedores do som

A Feira do Empreendedor acontece entre os dias 24 e 27 de setembro no novo Centro de Eventos do Ceará. A programação de oficinas, cursos e palestras trará aprimoramento para músicos, sonoplastas, técnicos de áudio e produtores culturais nas áreas de economia criativa, empreendedorismo e sustentabilidade. Os empreendedores do campo sonoro poderão se direcionar para o setor de registro de microempreendedor individual (MEI), promovido pelo SEBRAE. A formalização como prestador de serviços de produtor musical e professor de música gera o número no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), redução de impostos e facilidade de crédito. Autonomia que só se percebe na emissão de nota fiscal própria, sem descontos e porcentagens de atravessadores no limite anual de R$60 mil para a execução de projetos. Aos trabalhadores do som com vocação empreendedora, fica o recado de uma oportunidade imperdível para promover a dinamização das redes de negócios e das cadeias produtivas. 


Portal do Rádio

O aniversário de 90 anos da primeira transmissão radiofônica no Brasil  - celebrado no último dia 7 de setembro  foi a data escolhida para o lançamento do Portal do Rádio pelo grupo de pesquisa de Rádio e Mídia Sonora da Intercom, em Congresso Nacional de Comunicação da entidade realizado em Fortaleza. O portal passa a ser referência em artigos de pesquisadores brasileiros da radiofonia, além de agregar links e materiais de interesse dessa área. Ficam à disposição do público em www.portaldoradio-intercom.ufba.br preciosas indicações de leitura e de áudios de produções de rádio para fortalecer os estudos e a escuta desse meio de comunicação tão importante para a sociedade brasileira. Apesar de recém-inaugurado e ainda em processo de construção, o portal condensa conteúdos, orientando estudantes e profissionais a conhecer mais sobre rádio. 


Rádio e novos compositores

A estudante de Jornalismo Tainara Carvalho apresenta na manhã desta segunda-feira, 24 de setembro, a defesa da monografia de conclusão de curso sobre a relação entre o movimento Bora! Ceará Autoral Criativo e a Rádio Universitária FM. A maneira como uma nova geração de músicos cearenses buscou uma rádio pública e educativa para divulgar composições e dinamizar a cena musical de Fortaleza é uma tônica na pesquisa de Tainara, orientada pela professora Deisimer Gorczevski, do Instituto de Cultura e Arte da UFC. É a academia se debruçando para ouvir e analisar a produção da música contemporânea, em trabalhos com uma atualidade pulsante, sintonizados de fato com músicas que versam sobre a nossa cidade e os nossos dias. 


Sinfonias abertas

A Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará (OSUECE, antiga Orquestra Contemporânea do Ceará) realiza a série Concertos Sinfônicos na última terça-feira de cada mês no Theatro José de Alencar. O concerto da próxima terça-feira, 25 de setembro, 19h, terá a regência do maestro convidado José Renato Accioly. A entrada é franca. A OSUECE, junto com as orquestras Eleazar de Carvalho e Filarmônica do Ceará, fortalece a cultura de música instrumental em grandes conjuntos no nosso estado, formando plateia por não só executar os clássicos europeus, mas também compositores brasileiros e nordestinos. Valorizar o local e o regional no repertório não é somente uma opção estética, mas sobretudo uma decisão política, um compromisso dessas orquestras, que recebem apoio e recursos das Secretarias de Educação e de Cultura.


Pulsações

O fotógrafo cearense Rodrigo da Frota está com a exposição “Pulsações” em cartaz no Espaço Cultural da Universidade de Fortaleza (Unifor) até o dia 7 de outubro. Há diálogos consistentes entre a fotografia, a vídeo-arte, as instalações e o audiovisual. Pela fechadura de uma porta, Frota mostra o subúrbio da Índia e nos leva a viajar para esse país exótico por conta da gravação do som ambiente daquele lugar. Outra obra que desperta nossa curiosidade auditiva é “Pulsação”, que mescla projeções e um aquário de sereias e peixes sonorizado com um nostálgico e comovente tango. “Pulsações” consegue avivar a imaginação, encantando olhos e ouvidos. A exposição pode ser visitada na Avenida Washington Soares, 1321, no bairro Edson Queiroz, de terça a sexta de 8 às 18 horas, aos sábados e domingos de 10 às 18 horas. 


Batuta da flauta

A rádio Batuta do site do Instituto Moreira Salles (IMS) homenageia o flautista e compositor Altamiro Carrilho (1924-2012) na série especial Os Batutas. Carrilho faleceu aos 87 anos no dia 15 de agosto devido a problemas pulmonares. Porém foi um músico de fôlego, compositor de mais de 200 músicas, ícone da flauta nacional, seguindo o caminho de sopros melódicos de Pixinguinha, Copinha e Benedito Lacerda. Os fãs do mestre Altamiro e entusiastas da música instrumental podem acessar a série no endereço www.ims.uol.com.br/radiobatuta

domingo, 23 de setembro de 2012

Mostra Percursos projeta o Cinema Universitário



A III Mostra Percursos da Universidade Federal do Ceará (UFC) acontece entre os os dias 27 e 28 de setembro na Casa Amarela Eusélio Oliveira, e continuará nos dias 2, 3 e 4 de outubro de 2012 no Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB). O evento é uma realização do curso de Cinema e Audiovisual, do Instituto de Cultura e Arte (ICA), e se consolida no calendário de atividades culturais de Fortaleza. A proposta é debater, após cada sessão, os rumos da produção cinematográfica com uma nova geração de realizadores em sessões abertas à comunidade, .

A mostra deste ano conta com uma seleção de 31 curtas-metragens inéditos produzidos pelos alunos da UFC, que serão apresentados na Casa Amarela em cinco programas. Ocorrerá ainda uma sessão especial denominada “Outros Percursos”, na qual serão exibidos filmes produzidos por estudantes de Audiovisual e Novas Mídias da Universidade de Fortaleza (Unifor), convidados para o diálogo e a integração das distintas maneiras de pensar o cinema cearense. Outra novidade será a continuação da Mostra no CCBNB, onde ocorrerá uma exposição de instalações audiovisuais produzidas pelos alunos da UFC, além de reprises dos filmes exibidos nos dias 27 e 28.

Nas duas edições anteriores, a mostra já vinha com o objetivo de gerar um espaço de compartilhamento e debate sobre as produções dos alunos de Cinema e Audiovisual da UFC, tendo sido bem recebida pelo público fortalezense. No geral, a Mostra já contabilizou um público médio de 500 pessoas, que assistiram aos filmes e discutiram as temáticas apresentadas nos 58 curtas de jovens realizadores locais, de maneira a contribuir para o desenvolvimento do audiovisual do Ceará.


Serviço
III Mostra Percursos de Cinema da UFC 2012


27/09 e 28/09 na Casa Amarela Euselio Oliveira
Avenida da Universidade, 2591, Benfica - Fortaleza/CE
horário: 16h às 21h


02/10, 03/10 e 04/10 no Centro Cultural Banco do Nordeste
Rua Floriano Peixoto, 941, Centro - Fortaleza/CE.
horário: 18h às 21h  

Mais informações:

twitter: @mostrapercursos

Texto: Clara Bastos e Marco Leonel Fukuda
Fotos: Leonardo Mouramateus

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Bom Som nº 1

                                                                                               Coluna de  Marco Leonel Fukuda

Segunda-feira, 17 de setembro de 2012.



A XXXV edição do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - Intercom Nacional, realizada em Fortaleza, entre os dias 3 e 7 de setembro de 2012, marcou a inserção de um novo grupo de pesquisa: Música, Comunicação e Entretenimento. O recém-criado GP irá colaborar na sistematização dos estudos da interface entre Música e Comunicação Social no Brasil, somando esforços aos já realizados congressos Musicom (Música e Comunicação) e Musimid (Música e Mídia). É mais uma oportunidade de ouro para encontrar publicações de relevo e possibilidades para quem quer se especializar nessa área acadêmica.


fonte: www.jokacopacabana.tumblr.com
O projeto Aquarius comemorou 40 anos em concerto a céu aberto na praia de Copacabana na noite de sábado (15). O maestro Roberto Minczuk regeu a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), que executou um repertório patriota, homenageando a música erudita nacional, com obras de Alberto Nepomuceno, Francisco Mignone e Heitor Villa-Lobos. O auge dessa noite de gala foi a apresentação da bailarina Ana Botafogo, que, próxima da anunciada aposentadoria, estava vestida com um belo e conceitual figurino-instalação, inspirado nas danças circulares africanas. A musa do balé e a OSB interpretaram de maneira emocionante o prelúdio das Bachianas Brasileiras nº 4, de Villa-Lobos. A mesma orquestra foi dirigida entre 1952 e 1968 sob a batuta do maestro cearense Eleazar de Carvalho.



A 3ª Roda de Compositores aconteceu no final de tarde da última quarta-feira (12) no Bosque das Letras, no Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará (UFC). Compositores universitários foram convocados para participar do evento por meio da rede social Facebook. A produção do músico paulista Marcelo Jeneci sorteou cinco pares de ingressos e selecionou dez músicas dessa roda para que fossem gravadas em estúdio e apresentadas ao próprio músico, que virá em Fortaleza para um show no próximo dia 21 de setembro. Três dessas composições serão escolhidas para serem mostradas presencialmente para Jeneci. Resta saber se a iniciativa é mesmo um garimpo de talentos da música local ou mais uma jogada de marketing para aumentar o fã clube do artista na capital cearense.


fonte: www.papocult3.blogspot.com
A cantora e compositora Lídia Maria lançou o EP “A casa e a rua” na quinta-feira (13) no teatro SESC Emiliano Queiroz. Formada em Ciências Sociais pela UFC, a cantora fez a pesquisa da monografia de conclusão de curso sobre o movimento dos grupos de chorinho em Fortaleza. O título do EP lançado é inspirado no livro homônimo do antropólogo Roberto DaMatta, que veio a Fortaleza no último dia 5 para a conferência de abertura do Intercom Nacional. 


Foto: Prícia Dantas
O músico e fotógrafo Éden Barbosa realizou o segundo show do projeto “Meu amigo imaginarium” no palco sob a passarela do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura na noite da sexta-feira passada (14). Contemplado pelo edital Sons do Ceará, Éden levou ao público uma amostra de música experimental, em que violão e guitarra se mesclam a batidas e sintetizadores digitais. Apesar da originalidade do trabalho, o centro cultural continua esvaziado pela falta de segurança e pela omissão conjunta do Governo do Estado e da Prefeitura, que ainda não se afinaram em ações concretas para a requalificação do bairro Praia de   Iracema.


Dona Canô completou 105 anos de idade neste domingo (16). A longeva matriarca baiana já é figura marcante na história da música popular brasileira, por ser mãe dos talentosos Caetano Veloso e Maria Bethânia. Santo Amaro da Purificação, pequena cidade do Recôncavo baiano e terra natal do clã musical dos Veloso, mobilizou-se para homenageá-la. 

Outro centenário que curiosamente dialoga com a música é o arquiteto Oscar Niemeyer. Ele escreveu a letra de um samba junto com o enfermeiro Caio Almeida enquanto esteve internado no final de 2009. No ano seguinte, o compositor Edu Krieger foi escalado para completar a parceria e musicar a letra, surgindo assim “Tranquilo com a Vida”. Inesperado foi sair um samba do croqui de Niemeyer, que estreou como letrista no mesmo ano do centenário de nascimento de Noel Rosa e Adoniran Barbosa. O arquiteto recém-sambista se manteve fiel à ideologia comunista, exaltando na canção a vida do homem na periferia das grandes cidades.



A Rádio Universitária FM divulgou na quinta-feira (13) a lista de inscrições deferidas para os participantes do III Festival de Música da emissora. No site www.radiouniversitariafm.com.br estão os nomes dos compositores que tiveram as obras aceitas para concorrer nas categorias Música com Letra e Música Instrumental. No dia 28 deste mês, a comissão organizadora e o júri especializado do festival irão anunciar as músicas classificadas para a segunda fase, quando serão tocadas na programação regular da rádio e disponibilizadas no site para voto popular.


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Comunicação Organizacional em Fortaleza


Serviço
Palestra Comunicar para engajar: comunicação interna como estratégia de negócio
com a jornalista Fabiana Moura
Realização - Dialogus Consultoria
Terça-feira, 18 de setembro de 2012
19h
Auditório da Livraria Saraiva Megastore - Shopping Iguatemi Fortaleza
Entrada franca
Mais informações: (85) 3181-0087

Identidade Sonora dos 30 anos da Rádio Universitária FM


Fortaleza sediou, entre os dias 3 e 7 de setembro de 2012, o XXXV Intercom Nacional - Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, o mais importante congresso de Comunicação Social da América Latina. O evento foi realizado na Universidade de Fortaleza (Unifor) e trouxe a temática: Esportes na Idade Mídia: diversão, informação e educação, discutida em apresentações de artigos científicos, lançamentos de publicações, palestras, oficinas, seminários e conferências. 

Na divisão temática de Comunicação Audiovisual do Intercom Júnior, que recebeu trabalhos de pesquisa e iniciação científica de estudantes de graduação de todo o país, foi apresentado o artigo Vinhetas Institucionais e Identidade Sonora nos 30 anos da Rádio Universitária FM, de Marco Leonel Fukuda. O trabalho foi orientado por Nonato Lima, professor do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará (UFC) e diretor da Universitária FM - 107,9 MHz. O texto faz parte do pré-projeto de monografia/trabalho de conclusão de curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFC a ser escrito e defendido em 2013.

Leia o texto na íntegra a seguir:


Para saber mais
Fortaleza sedia congresso nacional de Comunicação
Intercom 2012 - Unifor
UFC bate recorde de trabalhos em congresso de Comunicação 
BUSTV: informação e entretenimento no transporte coletivo

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Meu Amigo Imaginarium - Sons do Ceará



O músico e fotógrafo Éden Barbosa e convidados realizam amanhã (14), às 19h30, no Espaço Rogaciano Leite Filho (palco sob a passarela) do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza, a segunda apresentação do projeto "Meu Amigo Imaginarium - show Transeuntes", contemplado no edital Sons do Ceará 2012. A proposta é mostrar ao público um trabalho de música experimental, com camadas de improvisação, de mesclas de timbres acústicos e digitais. 

Uma amostra do projeto está na gravação a seguir de Maracatango (Marco Leonel Fukuda), no registro do ensaio do grupo na última segunda-feira, dia 10 de setembro. A música tem participações de Marco Leonel Fukuda (violão), Éden Barbosa (guitarra slide), Ivan Timbó (programação), Marcio Dias (sintetizadores), e Romualdo Bass (baixo).



Serviço
Meu Amigo Imaginarium - Éden Barbosa e convidados
Sexta, 14 de setembro de 2012
19h30
Entrada Franca
Espaço Rogaciano Leite Filho - Dragão do Mar
Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema - Fortaleza/CE
Informações: (85) 3488-8612 / 3488-8617 / 3488-8625

A urbanização das metrópoles brasileiras


Entre Rios - a urbanização de São Paulo é um documentário dirigido por Caio Silva Ferraz que resultou de um trabalho de conclusão de curso da turma do Bacharelado em Audiovisual do Senac-SP (2009), produção do coletivo Santa Madeira. No filme, há uma consistente pesquisa histórica, que remonta ao tempo da fundação da cidade pelos jesuítas no século XVI, que escolheram uma área entre o rio Tamanduateí e o ribeirão Anhangabaú para construir o colégio de São Paulo de Piratininga (1554). Essa área privilegiada já tinha sido previamente ocupada por povos indígenas. 

O documentário tem uma elipse temporal até chegar na transição entre os séculos XIX e XX, quando os cafeicultores e os imigrantes europeus iniciam um processo acelerado de urbanização e de industrialização em São Paulo. Os rios que haviam sido estratégicos para fundar a cidade se tornariam, ironicamente, "obstáculos" para o desenvolvimento comandado pela elite paulista. É essa classe dirigente a que ignorou e canalizou os rios, degradou sistematicamente o meio ambiente, gerando impactos recorrentes como as enchentes nas épocas de chuvas e a poluição do ar agravada pelas fábricas e pelos automóveis.

O exemplo de São Paulo é válido para todo o País, porque os rios urbanos das grandes metrópoles brasileiras permaneceram testemunhas silenciosas, verdadeiras vítimas às margens do tão propalado progresso. É perfeitamente cabível traçar um paralelo do retratado no documentário "Entre Rios" com o que tem acontecido historicamente com o rio Capibaribe em Recife, o rio Arrudas em Belo Horizonte e o rio Cocó em Fortaleza, só para citar alguns casos.

A discussão em torno de urbanismo, do planejamento das cidades levantada pelo documentário é atualíssima, tendo em conta a proximidade que estamos das eleições municipais em 2012. Os próximos prefeitos, em especial das capitais, terão grandes responsabilidades nas suas administrações nas áreas de meio ambiente, saúde, educação, moradia e qualidade de vida. Vejam o documentário no topo deste texto e compartilhem dessa perspectiva crítica sobre a urbanização brasileira.

Para saber mais:

Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

A Caatinga e a Educação Ambiental



A Associação Caatinga promove em Fortaleza curso de Educação Ambiental para escolas e educadores com foco no bioma caatinga, nas mudanças climáticas e em tecnologias sustentáveis. Oportunidade ímpar para formação complementar em meio ambiente promovida pela OnG que lançou a candidatura do tatu-bola para ser eleito mascote da Copa do Mundo de Futebol de 2014 no Brasil.

Para saber mais acesse o site e as redes sociais:
Página no Facebook - Associação Caatinga 

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

III Festival de Música da Rádio Universitária FM 2012


A Rádio Universitária FM 107,9 MHz, emissora da Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura (FCPC) / Universidade Federal do Ceará (UFC) lança a terceira edição do Festival de Música da Universitária FM (2012), e está com inscrições abertas para músicas inéditas (nas categorias canção e música instrumental) até o dia 31 de agosto. A rádio dá continuidade a essa iniciativa para valorizar a cultura do Ceará, abrindo espaço para  a produção da música local e o talento de cantores, instrumentistas, compositores e arranjadores da capital e do interior do estado. 

O III Festival de Música da Universitária FM é a etapa regional do Festival de Música da Associação das Rádios Públicas do Brasil (ARPUB), do qual participam os primeiros colocados na categoria música com letra/cantada e música instrumental. O concurso premia 10 músicas, sendo cinco canções e cinco peças instrumentais, para fazerem parte de um CD do festival, lançado pelo selo da Universitária FM.

Todas as músicas inscritas são avaliadas por uma comissão de júri especializado, que seleciona as músicas para serem veiculadas na programação da emissora e no site entre os dias 29 de setembro e 21 de outubro. O público de ouvintes da rádio pode votar nas suas músicas favoritas direto no site. O resultado das  músicas finalistas do festival - escolha do júri e da participação popular - será anunciado no dia 24 de outubro.

SERVIÇO
III Festival de Música da Universitária FM
Inscrições: 16 de julho a 31 de agosto de 2012, na sede da emissora ou via Correios.
Avenida da Universidade, 2910 - Benfica
CEP: 60.020-181 - Fortaleza - Ceará
contato@radiouniversitariafm.com.br
Fone: (85) 3366-7471

Leia mais

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Monja Coen e a Cultura de Paz




O Theatro José de Alencar foi palco da palestra "Como cultivar atitudes pacíficas no cotidiano" da Monja Coen Sensei na noite do domingo passado (12). A visita da líder espiritual do zen budismo no Brasil a Fortaleza se deu a convite do TJA, por meio do projeto Divinas Palavras, que, desde maio deste ano, coloca em cena líderes de diversas religiões para falar sobre cultura de paz e assim estimular o diálogo e a tolerância com as múltiplas tendências de pensamento e de práticas religiosas.

A fala da monja começou com uma interessante e apropriada analogia com as máscaras teatrais, a tragédia e a comédia, o pranto e o riso, que representam todo um gradiente dos sentimentos humanos. Para ela, é totalmente normal que oscilemos entre os extremos das emoções, que sintamos ora amor ou ódio, inveja ou admiração, desde que na vida busquemos o caminho do meio, do equilíbrio, da temperança, um dos princípios fundamentais do zen budismo. 

Os espectadores se encantaram com o falar pausado e sereno da religiosa, que soube desenvolver uma linha densa de raciocínio acerca dos problemas existenciais do ser humano entremeada de anedotas ilustrativas de situações cotidianas cômicas. A identificação e a resposta de empatia do público foi imediata e espontânea com a mansidão, a oratória e a didática da palestrante, que antes de se ordenar como monja budista, já exerceu atividade como jornalista do Jornal da Tarde em São Paulo durante a juventude.

Outro momento marcante da palestra foi quando a monja trouxe uma abordagem etimológica para a palavra corrupção, uma reflexão histórica sempre pertinente e atual para a sociedade brasileira. Corrupção pode ser compreendida como "cor" - coração e "rupção" - rompimento, como coração rompido, perda da integridade, do sentido holístico da vida humana, e que não existe exclusivamente na política, mas também em outros setores do cotidiano.

A edição de agosto do projeto Divinas Palavras terminou com sábios conselhos da Monja Coen para focarmos a vida no tempo presente, no aqui e agora (a essência da meditação), e de cultivarmos a cultura de paz no nosso dia a dia por meio de ações de cuidado e de amor. Ela apontou que é necessário que procuremos ser agradáveis e afetuosos para com os outros, para assim manter saudáveis os nossos relacionamentos. Foi assim que quem teve a oportunidade e o privilégio de ouvir a palestra iluminada da Monja Coen pôde encerrar com chave de ouro o domingo com palavras inspiradoras para levar para a vida e para a semana seguinte, na rotina que retornaria como de costume na próxima segunda-feira.


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

Foto: Marco Leonel Fukuda

terça-feira, 17 de julho de 2012

E as obras do quarteirão?



Não é somente pela tela da televisão ou pelas fotografias de capas de jornal que percebemos que Fortaleza está em obras. Basta abrir a janela do quarto, ou as cortinas da sala de estar para notar isso ao redor da vizinhança mesmo. Somos conduzidos a olhar para aquários, centros de eventos, trilhos de metrô, mas não podemos esquecer do conjunto imenso de prédios que parece brotar do chão, do enxame de automóveis que a cada dia entope mais o trânsito e polui o ar. Isso sem contar o agravamento dos ruídos de construção, britadeiras, caminhões, tratores, que maltratam os ouvidos e perturbam o sossego.

Nossa cidade realiza obras às pressas, como se fosse uma noiva ansiosa e atrasada para o próprio casamento, na expectativa de que a "loira desposada do sol" saia do caritó de vez. Fortaleza compete com as outras capitais solteironas para ver quem é que vai ficar ou não para titia ("olha como meu Castelão está mais adiantado que o seu"). E prepara-se a cerimônia para receber convidados ilustres de fora, cartolas do futebol mundial, atletas, amantes do esporte que virão para cá não para conhecer a cidade de fato, mas para filar a boia, saborear os quitutes da festa de recepção. (Haverá uma estação de metrô do aeroporto para o estádio, para que os "hóspedes" nem precisem passar pelos "aposentos dos nativos" para cumprimentar a família da noiva, os cidadãos fortalezenses).

Fortaleza segue como aquela princesa iludida esperando pelo príncipe encantado, encarcerada no alto da torre de marfim. Sonha em se tornar uma cidade desenvolvida, mas a mentalidade dos governantes não permite que isso aconteça. O povo não tem acesso a uma educação crítica e de qualidade, e fica sem opção, ainda que se apresentem dez candidatos para assumir a prefeitura, e uma penca de vereadores que legislam para aumentar o próprio salário.

Não se questiona se essas obras ditas milagrosas não passam de uma maquiagem no cenário urbano, se a cidade não está apenas indo para o banheiro para retocar o pó no rosto. Em 2014, durante um mês, o país inteiro vai respirar futebol, e se esquecerá completamente que ainda temos graves desigualdades sociais, uma educação deficitária, problemas na preservação do meio ambiente, na saúde, na segurança pública e na cultura.

Essas obras prometidas para a Copa do Mundo trarão melhorias profundas na qualidade de vida da população? Ou são mesmo só para impressionar os turistas e os gringos? São investimentos no futuro ou serão dívidas difíceis para quitar no médio e longo prazo? Essas são perguntas que ficam a respeito da finalidade dessas obras, se a cidade deve ser arrumada por uma rápida faxina para eventos internacionais ou cuidada todo dia por e para quem nela habita. O Brasil já foi sede em 1950 de um torneio internacional de futebol e nem por isso resolveu todos os males socioeconômicos. Lembremos disso neste ano de eleições e em 2014 principalmente.


 
Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

Texto e fotos: Marco Leonel Fukuda

Leia mais:

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Pelo fim da educação surda

Os sons da descoberta da música presentes desde a educação básica

A música, a partir da lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008, passa a ser uma disciplina obrigatória no currículo da educação básica no Brasil. Sancionada pelo ex-presidente Lula, essa norma atualiza a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB - lei nº 9394/96), dando um prazo de três anos para as escolas brasileiras se adaptarem à essa exigência. Em termos práticos, isso coloca o ensino da arte musical no mesmo patamar de valorização pedagógica de outras disciplinas como Língua Portuguesa, Matemática e Estudos Sociais para os alunos da educação infantil e do ensino fundamental.

Vivemos um momento em que se faz necessário repensar o sistema educacional brasileiro. Nossos cidadãos têm acesso a uma formação plural, sensível e humanística? Esse questionamento envolve também o espaço destinado às expressões artísticas. Não podemos acreditar que a música seja um remédio milagroso para a crise estrutural do ensino no nosso país, tampouco podemos continuar relegando-a à posição de fundo ambiental do currículo escolar.

Essa arte sonora volta para reavivar o antigo sonho de Heitor Villa-Lobos de dar oportunidade para expressarmos o potencial e a musicalidade criativa do nosso povo. A partir desse avanço legislativo, a música se separa do bloco confuso e indefinido da Educação Artística, que, assim como a Educação Física, por muitos anos representaram papeis coadjuvantes nos currículos das escolas brasileiras.

Agora que é autônoma, a música exigirá educadores preparados para aplicarem didaticamente os conhecimentos musicais em sala de aula. Os professores de música desse novo momento histórico devem ser licenciados na área. O intuito, porém, não é fabricar músicos profissionais, cantores e instrumentistas técnicos, mas de dar ferramentas para afinar as vozes e os ouvidos, para aguçar a percepção auditiva dos estudantes, a fim de se relacionarem criticamente com os sons presentes na sociedade.

A música forma cidadãos mais sensíveis, capazes de apreciar e de se expressar sonoramente com consciência. Por isso a importância de estar presente na escola, desde a base do desenvolvimento humano, cívico e sócio-cultural. Sem música, a educação brasileira é surda, monótona e superficial. Agora, somente com ela, é que poderemos ter um processo educativo polifônico, cantável e orquestral.


Texto e foto: Marco Leonel Fukuda

Leia mais

- Com uma tarde repleta de música e de crianças, a Messejana nem pareceu tão distante - bastidores reportagem Revista Impressões Digitais UFC


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador

terça-feira, 3 de julho de 2012

Sons que atravessam a cena

Design: Walmick Campos
Teatro

Na próxima semana, estreia a primeira temporada de Papilio - uma travessia, espetáculo de conclusão do Curso Princípios Básicos de Teatro CPBT/TJA turma Manhã 2011/2012, no Theatro José de Alencar, em Fortaleza. A peça, sob a direção de Juliana Veras, é um diálogo entre a poesia e a música, a realidade e o sonho, apresentando as metamorfoses pelas quais passamos na vida para superar nossos medos. Os personagens vivenciam situações-limite de incertezas e fragilidade, e o público é convidado a refletir sobre as máscaras do cotidiano que utilizamos para a conveniência social.

O título do espetáculo vem da palavra Papilio, que em latim significa "borboleta". O elenco participou coletivamente da criação dramatúrgica da peça, e é integrado por Ana Oliveira, And Listen, Georgea Nara, Irisvânia Maria, Jairo Reiges, Jinnye Melo, Keven Rocha, Marina Evelly, Kekel Abreu, Suy Melo, Tércio Aragão Brilhante e Ysnara Tainam.

Serviço
Papilio - uma travessia
Espetáculo de conclusão CPBT/TJA
11 a 15 de julho de 2012
Duas sessões diárias - 16h e 19h
Entrada franca
Theatro José de Alencar
CENA / Anexo - Sala de Teatro Nadir Papi Saboia
Praça José de Alencar, s/n
ou entrada lateral pela Rua 24 de maio, 600. Centro (Fortaleza/CE)


Foto: Marco Leonel Fukuda
Canto sentimental

Ana Oliveira, cantora e atriz do elenco de Papilio - uma travessia, tem participação em uma cena do espetáculo, em que seu personagem interpreta Melodia Sentimental de Heitor-Villa-Lobos (1887-1959) em ritmo de tango, no arranjo de Marco Leonel Fukuda.

Uma prévia sonora do espetáculo teatral que estreia na próxima semana em Fortaleza:




As canções de Villa-Lobos, em especial a Melodia Sentimental (da obra sinfônica "A Floresta do Amazonas", de 1958) e a Ária Cantilena das Bachianas Brasileiras nº 5, ficaram bastante conhecidas na voz da cantora lírica Bidu Sayão (1902-1999).


Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador



domingo, 1 de julho de 2012

Pombo Performático



Era uma tarde de quinta-feira na Avenida 13 de maio em Fortaleza, por volta de cinco horas. Eu estava na parada de ônibus em frente à Reitoria da Universidade Federal do Ceará esperando, como tantos estudantes, pela topic 03. Naquele dia, o transporte demorou mais do que de costume, e outras pessoas ao meu lado também aguardavam pacientemente pela chegada do ônibus. Era o feriado de Corpus Christi, mas o que eu vi foi uma ave singular se equilibrando na beira da calçada. Não era uma pomba branca, símbolo da paz e da espiritualidade cristã, mas um pombo daqueles ordinários e sujos. Porém, o modo dele de caminhar e de ciscar o chão prendeu a minha vista. Não tive nojo em vê-lo, como teria em outras circunstâncias. A performance do animal me despertou a curiosidade e me motivou a escrever.

O pombo caminhava com uma naturalidade espantosa pela rua. Não tinha medo das motos, nem dos carros que passavam rápido. No rastro deles, vinham ligeiras ventanias que assustariam outros pássaros. Mas não o pombo, que ciscava como se estivesse em um quintal espaçoso, ou avaliando cada prato da gôndola de um buffet ou de um self-service. Continuava tranquilo bicando o asfalto e a areia, recolhendo grãos de cuscuz e de arroz. Era um banquete de lixo e de restos de comida, de quem se farta e se delicia da nossa cultura de desperdícios. 

Era engraçado porque o pombo parecia sentir quando o semáforo fechava. E eu olhava de vez em quando para conferir se o meu ônibus não estava para chegar. Depois, por inúmeras vezes, voltei o olhar para a ave, e permaneci espectador daquele ato paradoxal e fantástico de tão cotidiano e incomum. Era só diminuir momentaneamente o fluxo de veículos, que ele descia novamente da calçada, e andava desajeitado até quase o meio da avenida. Passei a temer pela segurança do pombo, com aquela torcida interior que a gente tem para o trapezista não cair e se esborrachar no chão batido da arena do circo. 

O bico resistente do bicho batia direto na rua, palco de todo o breve espetáculo. Foi impressionante a capacidade seletiva dele, de saber distinguir a comida no meio de pequenas pedras, fuligem, grãos de areia e folhas. Enchia o papo de fragmentos moídos de milho, que ali dispersos não davam pistas de procedência. Indiferente ao meu estado de voyeur, ele desfilava satisfeito, totalmente acostumado àquilo, como se fosse algo rotineiro e previsível. Tinha até um certo ar irônico, arrogante, por sempre escapar ileso das investidas furiosas dos automóveis. Parecia imune a ser atropelado, à causa mortis de possíveis parentes ou amigos animais das ruas.  

Quando voltava para a calçada, tentava desviar dos pedestres, com medo. Tinha pavor de skatistas, de ser esmagado por aquele conjunto incompreensível de madeira e de duas rodas. Com habilidade, conseguiu escapar de prováveis pisadas e chutes de grupos de gente distraída. Foi se proteger debaixo da marquise da parada de ônibus, próximo à bicicleta do vendedor de doces. Mas permanecia agitado e faminto, sem parar de se mexer um instante sequer. O doceiro se abaixou para buscar uma vasilha vermelha, que estava debaixo da bicicleta de mesma cor. Abriu a tampa, puxou uma colher e jogou restos do almoço no chão. 

Estava  resolvido o enigma. Era daquela insuspeita vasilha vermelha de onde vinha o alimento do pombo naquela hora. O açucarado vendedor tinha por aquela ave o mesmo sentimento dos aposentados que vão aos parques distribuir migalhas de pão para os pombos. Com grãos de outros cereais, era solidário e piedoso para com o bicho, que também tira o sustento do que consegue na rua. O homem repartiu as sobras da marmita e provava das guloseimas que venderia em um dia de mais movimento.

Enquanto o meu ônibus não chegava, segui atento os passos daquele pombo performático. Para finalizar a apresentação, de repente, a ave tomou um impulso do chão, bateu as asas e voou, não mais de estômago vazio. Desapareceu no meio dos fios elétricos e dos galhos das árvores altas. Terminou o espetáculo com a  dignidade e a convicção de um artista para os dois únicos espectadores, o doceiro e eu. Deu uma vontade de bater palmas para o pombo, e até uma ponta de inveja, porque ele era o próprio meio de transporte, e chegaria bem antes de mim ao ponto de destino.
  

Marco Leonel Fukuda
Músico e comunicador


Foto: www.amareisempre.blogspot.com