quarta-feira, 30 de maio de 2012

Cardoso violino elétrico



Cardo é outro nome para espinho de cacto, uma folha modificada pela sabedoria da natureza para que a planta resistisse a longos períodos de seca. Alguns segmentos da música atual talvez estejam passando por um momento de estiagem de talentos autênticos, mas o violinista Rodrigo Cardozo é um sinal de esperança de que a chuva vem para refrescar a aridez da cena cultural do Ceará. Uma prova saudável e salutar de que a música cearense está novamente se renovando. Curioso o jovem músico ter um sobrenome desses, que coincide com os dedos longos, afiados e precisos no toque do violino.

Rodrigo Cardozo fez uma impactante apresentação na última sexta-feira, dia 25 de maio, no Bosque das Letras da Universidade Federal do Ceará (UFC), pelo projeto Pôr do Som de música instrumental. Foi acompanhado por um power trio, tendo na formação de banda Rafael Magoo na guitarra, Rubem no contrabaixo e Francisco Drum na bateria. Os três músicos fizeram uma excelente base para acompanhar o violino plugado. Ou como se diz na gíria musical, fizeram uma confortável “cama” para deitar os solos violinísticos eletrificados do front man daquela noite. Ao alcance dos pés do violinista, havia vários pedais de efeitos produzindo os sons mais inusitados, que se completaram nos firmes movimentos do arco.

Por vezes, tive a impressão de que o instrumentista tocava um fiddle, aquele timbre de violino característico da música country norte-americana. Em outros momentos, o som me transportava para uma atmosfera nordestina, como se uma rabeca ressoasse nos ouvidos e no imaginário dos presentes àquele espetáculo musical. O violino também dialogou com a guitarra em solos ágeis e estridentes das músicas mais agitadas, quando pareceram visceralmente conectados de tão íntimos e entrosados que soaram para o público. De um instrumento que se espera concertista, típico da música erudita europeia, Rodrigo apresenta possibilidades múltiplas, releituras, fusões, surpresas para quem, como eu, é um apaixonado por música instrumental.

O pout-pourri de “Come Together” dos Beatles e “The Wall” do Pink Floyd levantou o público. Rodrigo teve o cuidado de montar um repertório em que as composições autorais fossem entremeadas por clássicos do rock e da música internacional. Estratégia inteligente de quem conquista a plateia, na ocasião formada principalmente por jovens universitários, ao mesmo tempo que introduz os ouvintes ao trabalho de compositor. Quem vibrou com a execução de “Beat It” do rei do pop Michael Jackson também pôde apreciar as músicas “Tá na veia”, “Um novo dia” e “Save the planet” de Rodrigo Cardozo. Todas elas músicas bem compostas e interpretadas com vigor e beleza, pois o violinista soube fazer nuances conscientes na dinâmica, tocando suave e forte nas horas certas.

Rodrigo Cardozo e o guitarrista Rafael Magoo demonstraram tranquilidade e profissionalismo quando cordas dos instrumentos deles arrebentaram no meio da performance. Magoo não se intimidou com a corda mi aguda pendurada, e Rodrigo rapidamente desculpou-se pela falha técnica, trocou de violino para o instrumento reserva e o show de todo artista tem que continuar, como diz a bela canção de João Bosco e Aldir Blanc. 

Os dois provaram que são músicos equilibristas, daqueles que possuem jogo-de-cintura e experiência para contornar as dificuldades do cotidiano artístico. Não deixaram a peteca cair e se mantiveram serenos no palco, sem deixar transparecer que o rompimento de cordas fosse um erro ou um acidente. Refizeram ajustes de afinação e tocaram com cinco cordas restantes da guitarra. Eu que sou músico observei esses detalhes, que passaram despercebidos pela maioria das pessoas que ali estavam surpresas com a ousadia inventiva daquele violino elétrico.

Naturalmente, o público pediu bis. Rodrigo sorriu e tirou uma música da manga para finalizar. Aplaudi(mos) com gosto, feliz(es) pelo presente de ouvir música de qualidade numa noite de sexta-feira, para brindar mais uma semana de estudos e de esforços.


-------
Acompanhada dessa crônica, audioveja o clip da música "Tá na veia" de Rodrigo Cardozo.


Para saber mais, acesse o site oficial do violinista: www.rodrigocardozo.com


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Taiko - percussão japonesa

Fonte: en.wikipedia.org

Ouça reportagem sobre a oficina de Taiko - percussão japonesa da Semana de Humanidades UFC/UECE 2011 (3 a 6 de maio), realizada para a cobertura especial do evento pelo site da Rádio Universitária FM. O taiko é uma manifestação tradicional da cultura percussiva do Oriente e está ligado à práticas coletivas de música e de rituais religiosos que utilizam a rítmica dos tambores no Japão.




Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo.

domingo, 27 de maio de 2012

Podcast GERA - Roda de conversa Pesquisa em Rádio


Grupo de Estudos em Rádio (GERA) - 22/05/2012


Prof. Nonato Lima
O Grupo de Estudos em Rádio (GERA) realizou uma roda de conversa sobre Pesquisa em Rádio na última terça-feira 22 de maio, na sala do PETCom. O professor Nonato Lima, jornalista e diretor da Rádio Universitária FM 107,9 MHz, foi convidado para dialogar sobre esse tema com os participantes do GERA.

A roda de conversa foi o terceiro encontro do grupo de estudos, que começou as suas atividades quinzenais no dia 17 de abril de 2012. É a proposta de convidar mensalmente um profissional do rádio para uma síntese entre teoria e prática nos encontros do GERA. O evento deu continuidade às duas primeiras reuniões, em que foi apresentada a metodologia de trabalho desse novo projeto de iniciativa do PETCom, e se debateu sobre a produção radiofônica segundo Robert McLeish.

Nonato Lima começou a sua fala criticando a carência de discussão e de estudos sistemáticos sobre o rádio na universidade. Apesar de ser uma mídia popular, que se fortaleceu com o advento da televisão e da Internet, o rádio, segundo o professor, tem o seu ensino secundarizado nos currículos de Comunicação Social. Não só no ambiente acadêmico, mas o próprio meio radiofônico enfrenta dificuldades como a falta de políticas de memória das emissoras de rádio para conservarem o material de pesquisas, e os privilégios das concessões públicas da radiodifusão no Brasil, que concentram o controle da mídia nas mãos de elites políticas e econômicas. O diretor da Universitária FM também ressaltou o desconhecimento dos radialistas em relação ao potencial comunicativo do rádio, o que causa uma falta de investimento na qualidade dos conteúdos das programações radiofônicas.

A pesquisa em rádio passa por desafios na alvorada do século XX, quando as tecnologias digitais reformulam e ampliam o conceito de rádio. O rádio, para Nonato Lima, é o lugar para conversar, o meio de comunicação que, por natureza, promove o diálogo e a mobilização social, participando diretamente da cultura. Ao final da exposição, o convidado da primeira roda de conversa do GERA falou sobre as grandes possibilidades para se pesquisar o rádio hoje, em áreas a serem estudadas como a história do rádio e as particularidades regionais, os estudos de linguagem radiofônica, rádio e ideologia, arte e técnica no rádio, participação do ouvinte e interatividade, segmentação e diversidade da programação radiofônica, sonoplastia e estética no rádio.


Roda de Conversa do GERA - Pesquisa em Rádio (22/05/12)
 
Participantes da Roda de Conversa / GERA: Marco Leonel Fukuda (facilitador), Renato de Menezes, Diego Somba, Lidianne Macêdo (visitante), Bárbara Danthéias e Junia Leonel (visitante).

Ouça o podcast de vozes plurais da Roda de Conversa sobre Pesquisa em Rádio    (GERA-UFC):

 

Leia mais 
Grupo de Estudos em Rádio - GERA 
GERA conversa sobre Pesquisa em Rádio - PETCom UFC 
Roda de Conversa GERA - Pesquisa em Rádio
Página do GERA no Facebook

Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo
Facilitador do Grupo de Estudos em Rádio (GERA)


terça-feira, 22 de maio de 2012

Roda de Conversa GERA - Pesquisa em Rádio

Arte: Igres Leandro

Primeira Roda de Conversa do Grupo de Estudos em Rádio (GERA) 
da Universidade Federal do Ceará (UFC). 
Tema: Pesquisa em Rádio.

O convidado será o professor Nonato Lima, jornalista e diretor da Rádio Universitária FM.
Hoje, 22/05/12, às 18h45, na sala do PETCom.

Serviço
Roda de Conversa Grupo de Estudos em Rádio (GERA)
"Pesquisa em Rádio"
Convidado: Prof. Nonato Lima
Terça, 22/05/2012
Às 18h45
Sala do PETCom
Centro de Humanidades Área 2 - UFC
Avenida da Universidade, 2762 - Benfica 
Fortaleza/CE

Leia mais
PETCom - Programa de Educação Tutorial do Curso de Comunicação Social da UFC
Grupo de Estudos em Rádio - GERA
GERA - Página do Facebook

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Entrevista com Cláudia Leitão

fonte: www.culturadigital.br

Cláudia Leitão é secretária de Economia Criativa do Ministério da Cultura (MinC) desde 2011. Ela foi secretária de Cultura do Estado do Ceará (SecultCE) entre 2003 e 2006. Na entrevista a seguir, realizada por e-mail para a reportagem "O artista empreendedor autônomo" no ano passado, a gestora pública da cultura fala sobre as ações da recém-criada secretaria do ministério comandado por Ana de Hollanda, a partir de tópicos de interesse como empreendedorismo cultural e o conceito de economia criativa. 


1. Cláudia, como a recém-criada Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura (MinC) trabalha com o tema dos artistas empreendedores autônomos? Como os artistas microempreendedores individuais estão sendo contemplados nas políticas públicas da cultura atualmente no Brasil?

Cláudia Leitão: A economia criativa brasileira se constitui em sua maioria de profissionais autônomos e micro e pequenos empreendimentos criativos. É uma economia em que muitos dos seus atores atuam na informalidade, gerando uma dinâmica invisível para os gestores públicos. Dentro do governo Dilma, o empreendedorismo e a formalização destas micro e pequenas iniciativas são considerados estratégicos para o desenvolvimento do país, o que tem sido assumido de forma alinhada pela Secretaria da Economia Criativa (SEC). Para isso, as ações da Secretaria irão contemplar esses profissionais através do fomento técnico e financeiro (através de linhas de crédito, incubadoras, birôs de serviços etc), da formação para competências criativas (que incluem as técnicas e de gestão) e do apoio e fomento a redes e coletivos, além de uma série de outras ações de natureza macroeconômica que impactam nas condições de trabalho desses profissionais - institucionalização de territórios criativos, desenvolvimento de estudos e pesquisas e adequação de marcos legais de natureza tributária, trabalhista, previdenciária e de propriedade intelectual.

2. Como os artistas e os trabalhadores da cultura, como profissionais autônomos, podem se inserir neste contexto renovado da economia criativa? Como o poder público pode atuar para estimular o empreendedorismo na área cultural?

CL: A natureza intersetorial da economia criativa implica na formulação de políticas públicas coordenadas e transversais à maioria, senão todos, os ministérios, e não apenas no âmbito do Ministério da Cultura. Portanto, isto exigirá que o poder público promova a inovação e a criação de pequenos empreendimentos no campo criativo, facilite o acesso a mercados e ao financiamento, melhore a vinculação dos setores criativos com os setores produtivos tradicionais, melhore a infra-estrutura disponível, promova o consumo cultural, garanta o acesso da produção nacional aos meios de difusão existentes (jornal, rádio, televisão e cinema), proteja os direitos dos autores ao mesmo tempo em que permita maior acesso aos conteúdos, bens e serviços criativos. Por outro lado, que facilite o intercâmbio e o desenvolvimento de projetos multidisciplinares, assim como também promova a educação, a capacitação e a assistência técnica aos criativos.

3. Como a aprovação da lei do Super Simples pelo governo da presidenta Dilma repercute no trabalho de gestão de políticas culturais do MinC e da sua secretaria em específico? Quais atividades e quais setores da cultura são influenciados por essa nova legislação?

CL: As modificações tributárias propostas pela lei do Super Simples entraram em vigor no meio de 2007, portanto suas influências no setor cultural não são de hoje. As peculiaridades da lei já estavam sendo levadas em conta na formulação e gestão de políticas culturais do MinC e da SEC. O que a presidente Dilma sancionou foi um reajuste nas tabelas da lei, tornando-a mais inclusiva. Consequentemente, as políticas culturais relacionadas tornam-se mais acessíveis.

4. De que forma a sua experiência como titular da Secretaria de Cultura do Ceará (SecultCE) entre 2003 e 2006 é referencial para o seu atual trabalho na Secretaria de Economia Criativa? O que houve de pionerismo de iniciativas de políticas públicas da cultura no Estado do Ceará que podem ser bons exemplos para o Brasil?

CL: Quando cheguei à Secretaria da Cultura do Ceará em 2003, definimos entre os programas do Plano Estadual de Cultura o "Valorização das Culturas Regionais". Tínhamos assumido desde o primeiro ano de gestão o compromisso de descentralizar e interiorizar os recursos, as políticas, os programas e as ações da Secretaria da Cultura para todo o Estado. Quando nos aproximamos da região do Cariri, percebemos que a mesma não se encerrava aos limites geográficos do Ceará, mas se estendia  muito além da Serra do Araripe, incluindo os estados de Pernambuco, Paraíba e Piauí. Resolvemos, então, trabalhar a noção de "bacia cultural" a partir da metáfora das bacias hidrográficas, ou seja, como um território nutrido por fontes culturais diversas, que se fundem e se (con)fundem numa rede relacional de influências e confluências, para formar, a partir de um território imaginário compartilhado, um espaço original. Nosso propósito subjacente ao definirmos o conceito de bacia foi o de nos valermos da dimensão cultural como ponto de partida para a construção de um planejamento voltado ao desenvolvimento regional. No âmbito nacional, a Secretaria da Economia Criativa buscará ampliar a noção de "bacia cultural" para a de "bacia criativa" ou seja, territórios que constituem espaços de produção, difusão/circulação e consumo/fruição de bens e serviços criativos.

5. Quais inovações virão no ano que vem com o Termo de Referência para a Economia Criativa, produzido pela Secretaria de Economia Criativa do MinC em parceria com o SEBRAE Nacional? Quais ações de empreendedorismo e de economia criativa estão sendo preparadas neste final de ano, para serem implantadas a partir de 2012? Algo inspirado ness clima de preparação para o Brasil receber a Copa de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016?

CL: O Acordo de Cooperação entre o MinC e o Sebrae prevê a estruturação de Observatórios da Economia Criativa que irão sistematizar dados e informações sobre a economia criativa do país. Também teremos a implantação dos Criativas Birô, escritórios que darão suporte técnico aos empreendedores criativos. Até 2015, serão investidos recursos em ações de mapeamento, capacitação, apoio ao mercado, geração de negócios e gestão empresarial para a competitividade. É uma oportunidade ímpar de agir em território nacional e obter a parceria dos estados e dos municípios brasileiros. Estamos afinando essas políticas e esse conjunto de ações que nós podemos realizar juntos, com orçamentos e recursos humanos que vão se somar para o sucesso dos trabalhos. Ainda como parte do Acordo com o Sebrae, iremos elaborar um Guia do Empreendedor da Cultura, com informações sobre produção, como iniciar um negócio, como obter linhas de financiamentos, dentre outras. Serão oferecidos cursos, palestras e programas de fortalecimento associativo e da elaboração de projetos em gestão cultural, tudo com o objetivo de auxiliar o empreendedor criativo.

Estamos construindo o Plano "Brasil Criativo", que será estruturado com a ajuda dos ministérios da Educação, da Ciência e Tecnologia e Inovação, do Turismo, do Trabalho, do Desenvolvimento Social, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, das Cidades, das Comunicações e do Esporte. Estas Pastas já formulam políticas públicas para os segmentos criativos, no entanto, os programas e ações delas não obtiveram até então a necessária potencialização e articulação. Por isso, nos relatórios internacionais sobre o estado da arte da economia criativa no mundo (vale aqui citar o Relatório da UNCTAD- Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e o Desenvolvimento), o Brasil aparece de forma eventual. Por exemplo, se somos reconhecidos pela força do nosso patrimônio imaterial, especialmente pelas nossas festas populares, como o carnaval, ou até mesmo a Copa do Mundo 2014, vale dizer que parte da economia do carnaval não retorna para a qualidade de vida dos brasileiros, que são os seus protagonistas.



Leia mais
O artista empreendedor autônomo - blog Cultura Ciliar
Entrevista Cláudia Leitão - vídeo Portal Semiárido
Entrevista Cláudia Leitão - Produção Cultural no Brasil
Banco do Nordeste - Papo XXI - Economia da Cultura
Entrevista com Gilmar de Carvalho - blog Cultura Ciliar
Mais uma caixa da cultura cearense - artigo Cultura Ciliar

domingo, 20 de maio de 2012

Violão veterano


Fonte: www.nonatoluiz.com.br

O violonista e compositor Nonato Luiz celebrou 35 anos de carreira em apresentação no centenário Theatro José de Alencar, no último dia 30 de março. O concerto festivo teve como convidados o bandolinista Jorge Cardoso, o arquiteto, letrista e compositor Fausto Nilo e os violonistas Cainã Cavalcante e Tarcísio Sardinha. Nonato Luiz gravou um DVD comemorativo para registrar a ocasião. É um item inédito da fértil discografia de mais de 30 títulos do violonista, cuja produção autoral soma aproximadamente 600 composições solo e em parcerias. Os trabalhos mais recentes de Nonato Luiz incluem a série “Estudos, peças e arranjos”, com lançamentos em CD (2010) e em DVD (2011), no catálogo do selo RNO Produção Musical.

Da lavra desse talentoso compositor, nascido em Lavras da Mangabeira, no Ceará, os entusiastas e colecionadores de obras do violão brasileiro guardam com carinho o CD “Estudos, peças e arranjos”. O repertório do disco é uma retrospectiva da carreira de Nonato, com homenagens a três influências capitais da música nacional: os compositores Heitor Villa-Lobos (1887-1959), Baden Powell (1937-2000) e Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto (1915-1955).

Villa-Lobos é saudado por Nonato Luiz na música “Villalobiana”, com movimentos melódicos vigorosos do registro grave do violão, seguidos por acordes cheios das sonoridades de cordas soltas. Villa-Lobos foi maestro e violoncelista. Produziu uma obra para violão inspirado no cello, com belos fraseados de bordões, das cordas graves, arrematando com acordes monumentais dessa orquestra de seis cordas dedilhadas. Lições de técnica composicional que Nonato Luiz aplica com propriedade. “Saudades de Baden” é uma música dedicada a Baden Powell, um dos maiores mestres do violão brasileiro, virtuose, dono de um legado e de uma rítmica violonística afrosambante, de quem todos nós sentimos falta e, por isso, reservamos lugar privilegiado nas nossas coleções.

Garoto, o multi-instrumentista das cordas e precursor da Bossa Nova, foi integrante do grupo Bando da Lua, que acompanhou Carmen Miranda nas primeiras apresentações da cantora nos Estados Unidos. A homenagem feita a ele é um arranjo transcrito para violão solo da música “Meu Coração”, uma peça “lado B” do repertório autoral de Garoto, gravada pelo Trio Surdina nos anos 1950. Em “Estudos, peças e arranjos”, está presente a adaptação do tradicional choro “Saxofone, por que choras”, de Ratinho. Nonato, como de costume, surpreende com a capacidade incrível de elaborar arranjos e de tocar com firmeza no violão músicas concebidas para outros instrumentos.

No repertório e no início do título do álbum, estão os estudos, ou seja, as peças musicais de caráter didático. São exercícios de técnicas violonísticas compostos por Nonato Luiz na rotina disciplinada de prática e de contato íntimo com o instrumento, tão familiar após três décadas de convivência. São seis estudos dirigidos não apenas para aprimorar as habilidades de aprendizes e de violonistas profissionais, mas também para o deleite do público, pela musicalidade que brota de arpejos elaborados e da dança de dedilhados nas cordas. Vale ressaltar o “Estudo nº 5”, que Nonato Luiz compôs na afinação em quintas da viola caipira, outro instrumento com o qual o violão dialoga no CD.

“Estudos, peças e arranjos” é um disco marcante para a história da música instrumental produzida no Ceará e um título de relevância para o violão brasileiro. Nonato Luiz apresenta um trabalho que é síntese de uma duradoura e consagrada carreira como violonista, compositor e arranjador. É uma notável façanha conseguir transitar confortavelmente pelos domínios da música erudita, concertista, sem esquecer o caminho popular da música brasileira e da música regional nordestina. É esse o violão de Nonato Luiz: tão versátil e universal, por ter saído da sua aldeia Mangabeira, por representar a cultura cearense, por ter alcançado e admirado o mundo todo.

Serviço
CD “Estudos, peças e arranjos” (2010)
Nonato Luiz
R$25,00 (19 faixas)
Pedidos: www.nonatoluiz.com.br

Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo


Baião Cigano (Nonato Luiz) com Nonato Luiz e Adelson Viana:



Resposta do próprio Nonato Luiz à resenha publicada no blog Cultura Ciliar - via Facebook.

Sacadas do Facebook - A Eco Lógica

Fonte: Brauner Rigo

Um cartaz digital que muito fala sobre a relação do ser humano com a natureza, trazendo uma reflexão bastante atual. À esquerda está o ego do homem, antropocêntrico, que se coloca no vértice da pirâmide e no topo da cadeia alimentar, acima dos demais seres vivos. Machista, patriarcal, por se considerar superior à mulher. À direita, a visão eco, sistêmica, holística, circular, da igualdade e da interdependência entre os elementos da biosfera, a teia da vida que habita o nosso planeta Terra, a morada comum. Uma boa sacada circulando na rede social Facebook, de onde não só podemos retirar fragmentos de bom humor, mas também de ideias inteligentes e de pensamentos instigantes.

  
Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo


Leia mais
Sacadas do Facebook - Ciclovias e Mobilidade Urbana

sábado, 12 de maio de 2012

Gravação no Vila Estúdio



Sessão de gravação no Vila Estúdio (Fortaleza/CE) no dia 11 de maio de 2012, com o acordeonista e compositor Adelson Viana e a cantora e compositora Aparecida Silvino. Gravação de novas peças para o projeto de identidade sonora e de estética de programação da Rádio Universitária FM. Em breve, essas peças radiofônicas serão veiculadas na frequência 107,9 MHz.

Fotos, composição e direção musical: Marco Leonel Fukuda.


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo



segunda-feira, 7 de maio de 2012

Mais uma caixa da cultura cearense

Fonte: www.teatroplural.blogspot.com

O Centro Cultural da Caixa Econômica Federal em Fortaleza será inaugurado em breve, ainda em 2012, de acordo com a previsão otimista do setor de cultura do banco. O prédio da antiga Alfândega na Avenida Pessoa Anta, na Praia de Iracema, escolhido para sediar o centro cultural, foi desocupado como agência bancária em 2008. As obras começaram no ano seguinte, para que o edifício tombado pelo patrimônio histórico passasse por reformas nas instalações e a Caixa Cultural fosse inaugurada em 2010 na capital cearense. Mas o que são dois anos de atraso para uma cidade que há tanto espera por obras estruturantes?

Próximo aos galpões do Dragão do Mar e aos futuros tanques do Acquario Ceará, o prédio da Alfândega aguarda com paciência para ser novamente ocupado, dessa vez com uma programação cultural que se promete diversificada. Porém, secos ou molhados, os equipamentos culturais em Fortaleza tendem a se tornar caixas compactas, gavetas fechadas em relação à cidade. Apesar das bem-vindas tentativas de instalação do CUCA Che Guevara na Barra do Ceará e do Centro Cultural Bom Jardim, as atividades artísticas e culturais em geral seguem concentradas no Centro e na Praia de Iracema.

Só construir centros culturais é insuficiente, porque é preciso manter os já existentes, revitalizá-los periodicamente com investimentos para reformas e para fortalecer a programação de maneira continuada. Os gestores públicos precisam desenvolver uma visão ampla e estratégica de política cultural, para além de espaços restritos na cidade reservados para atividades da cultura. Esses espaços precisam ser integrados em percursos dialógicos de corredores culturais, para as pessoas circularem livremente por exposições de arte, bibliotecas, museus, salas de cinema, teatros, parques e praças.

É necessário também que a população seja estimulada a formar um vínculo com os centros culturais da cidade. Principalmente a partir de ações movidas por instituições públicas que patrocinam iniciativas culturais com os impostos da sociedade, como no caso da Caixa Cultura. É justo que os lucros dos bancos estatais sejam revertidos em projetos de responsabilidade social, ambiental e cultural.

As prefeituras devem criar ciclovias e linhas especiais de ônibus que incluam esses pontos de cultura nos itinerários, democratizando a visitação e o acesso às pessoas de todas as faixas etárias e classes sociais. Centro cultural não pode ser um lugar exclusivo para quem tem carro ou anda de táxi. O transporte coletivo deve facilitar o deslocamento das pessoas de vários pontos da cidade até os centros culturais, permitindo que elas possam usufruir da programação de espetáculos, shows e apresentações, para depois voltarem em segurança para casa. Dessa maneira, os cidadãos poderão se apropriar desses espaços culturais e significá-los plenamente nas suas práticas cotidianas.

Esses locais privilegiados da cultura têm de ser compreendidos por um aspecto plural, vistos como pontos turísticos, espaços de convivência, de formação humana, pontos de encontro; lugares onde há ventilação, fluxo de ideias, opções de lazer e de entretenimento para a comunidade. Se não entram no cotidiano dos habitantes de uma cidade, os centros culturais são esvaziados, entram em declínio e perdem muito da sua função social.

Com o Centro Cultural Caixa em Fortaleza sendo instalado em uma antiga alfândega, podemos refletir sobre o simbolismo desse prédio histórico - uma zona de fronteira, um lugar de circulação, de trocas e de contatos. Teremos a oportunidade de abrir não só essa caixa, descarregando os contêineres dos portos e destinando as demandas, mas todas as caixas de Pandora da cultura cearense, para deixar sair inclusive a esperança. Na fé de que transformações profundas são possíveis, para dinamizar a cultura local em benefício dos artistas e do povo.


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo

domingo, 6 de maio de 2012

Grupo de Estudos em Jornalismo e Meio Ambiente


O Grupo de Estudos de Jornalismo e Meio Ambiente é mais uma iniciativa do Programa de Educação Tutorial do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará (PETCom-UFC) que visa aprimorar o currículo de Jornalismo na UFC, aprofundando a discussão de questões sobre mídia e meio ambiente.

O projeto surge neste ano de 2012, para abordar o Jornalismo Ambiental, no mesmo ano da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio + 20. O Jornalismo Ambiental pode e deve ir além de noticiar desastres naturais, para conscientizar a população sobre importância da dimensão ecológica, do equilíbrio dos ecossistemas, da qualidade de vida e da mudança de modelo de desenvolvimento tão necessária no começo do século XXI. Sem contar que também é notório como a agenda ambiental está cada vez mais presente no trabalho dos comunicadores sociais.

O PETCom convida a todos os interessados para a primeira reunião do novo Grupo de Estudos em Jornalismo e Meio Ambiente, na próxima semana.


Serviço
Grupo de Estudos em Jornalismo e Meio Ambiente
Encontros Quinzenais - terças, 18h30
15/05/2012 - 3ª feira
Sala do PETCom
Centro de Humanidades Área 2 - Campus Benfica / UFC.

Contato: petcomufc@gmail.com
Facebook: Petcom ufc
Arte / design / identidade visual: Igres Leandro (PETCom)


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo
Bolsista do Projeto de Educação Tutorial
do Curso de Comunicação Social da UFC (PETCom)

Sacadas do Facebook - Ciclovias e Mobilidade Urbana


Cartaz de uma ótima sacada circulando pela rede social Facebook, criticando as prefeituras brasileiras que, em geral, não instalam ciclovias suficientes para as políticas de mobilidade urbana, planejamento urbanístico,  meio ambiente, qualidade de vida, esportes e cidadania.

Sobre esse assunto, o blog Cultura Ciliar tem outra postagem tratando sobre esse tema:  


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo

Uirapuru - Orquestra de Barro de Cascavel


O Grupo Uirapuru - Orquestra de Barro de Cascavel (CE) se destaca no cenário da música cearense por ser um conjunto que produz a sua sonoridade com instrumentos musicais feitos de cerâmica. O grupo inspira jovens e as artesãs da comunidade Moita Redonda de Cascavel, a 60 km de Fortaleza, a manter a tradição da cultura do barro, agora ressignificada com música.

Ouça entrevista com a Orquestra de Barro de Cascavel na seção Ceará Sonoro do site da Rádio Universitária FM (107,9 MHz - Universidade Federal do Ceará - UFC).


 Texto e fotos:  
Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo

Grupo de Estudos em Rádio (GERA/UFC)

Grupo voltado para comunicadores em formação, estudantes de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, com espaço aberto para o pessoal do Teatro, do Cinema e Audiovisual, das Humanidades em geral, interessados nos estudos do rádio. O grupo acontecerá de 15 em 15 dias, alternando leituras dirigidas em grupo e rodas de conversa com profissionais do meio radiofônico.

Na próxima terça-feira, dia 8 de maio, discutiremos a leitura de dois capítulos do livro Produção de Rádio: um guia abrangente da produção radiofônica de Robert McLeish (as características do rádio como meio de comunicação e o trabalho do produtor). O texto está disponível na Biblioteca de Ciências Humanas e na xerox da Psicologia.

Serviço 
Terças-feiras quinzenalmente, a começar nos dias 17/04/12 e 08/05/12 às 18h45, na sala do PETCom, no Centro de Humanidades Área 2 da UFC - Campus Benfica.
Realização: Programa de Educação Tutorial do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará (PETCom-UFC)

 Contato: petcomufc@gmail.com

Curta a página do grupo GERA/UFC no Facebook.


Arte e design: Igres Leandro (PETCom)


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo
Bolsista do Programa de Educação Tutorial
do Curso de Comunicação Social da UFC (PETCom)

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A Dama de Ferro humanizada


fonte: www.acontececuritiba.com.br
 
É uma senhora viúva, que caminha suavemente pelo apartamento, tendo as lembranças como companheiras. Ela conversa com o fantasma do falecido esposo, como se ele ainda estivesse presente em casa, dando-lhe conselhos e suporte emocional. A partir de álbuns de retratos, filmagens de férias em família, recortes de jornais e imagens de documentários, reconstroi-se em A Dama de Ferro (The Iron Lady, Inglaterra, 2011) a história de uma notável estadista. O filme concilia a vida pessoal e a atuação pública de Margaret Thatcher (1925-), primeira-ministra britânica, que governou o Reino Unido de 1979 a 1990, em plena Guerra Fria. Uma mulher pioneira a ocupar cargos de autoridade na política mundial, a primeira liderança feminina a se tornar uma chefe de Estado.

Margaret Thatcher, mulher forte e à frente de seu tempo, recebeu dos soviéticos o apelido de “Dama de Ferro”, por ser uma governante decidida, firme, porém autoritária, pela resistência ao machismo reinante na política inglesa e por não aceitar contrariedades dos aliados e dos opositores políticos. No filme da diretora britânica Phyllida Lloyd (Mamma Mia!), símbolos da presença feminina como o colar de pérolas, o tailleur azul e o salto alto são mostrados com inteligência em planos detalhes, focalizados pela câmera, contrastando com os sobretudos, os ternos e os chapéus-coco dos lordes no Parlamento inglês. 
 

Margaret Thatcher e Meryl Streep (Revista Veja)
A premiada atriz norte-americana Meryl Streep (O Diabo Veste Prada) encarna a protagonista Margaret Thatcher durante o mandato como primeira-ministra e na maturidade, aposentada das atividades políticas. A atuação brilhante de Meryl Streep em A Dama de Ferro lhe rendeu o terceiro Oscar da carreira, com especial menção ao trabalho não só da atriz, que demonstrou um perfeito domínio de cena e do sotaque do inglês britânico, mas também da equipe de maquiagem e caracterização. Com propriedade e coerência conseguiram traduzir a passagem dos anos na vida da personagem. Integrando o elenco do filme, o também vencedor do Oscar Jim Broadbent (Moulin Rouge) desempenha o papel coadjuvante de Sir Denis Thatcher, marido de Margaret. 

O filme humaniza a vida dessa líder, mostrando alguns momentos felizes, decisivos e outros de dúvidas e inseguranças. A história de Margaret Thatcher é tratada com o devido respeito, sem mitificar o personagem, como é comum de muitas cinebiografias. O filme retrata as origens humildes dela, como filha de um comerciante e líder sindical. Por influência do pai, Margaret se interessa por política e vai estudar em Oxford. Ela se apaixona por Denis Thatcher, que será o companheiro de uma vida inteira. O casal tem dois filhos, Carol e Mark, para os quais Margaret não tem muito tempo, por causa da agenda de compromissos políticos. Ela vive o dilema da mulher moderna, de constituir família e trabalhar fora de casa. A carreira caminha gradualmente, de deputada a líder do Partido Conservador, até chegar ao posto máximo de primeira-ministra.

Margaret assumiu o poder em um momento de crise, implantando o hoje questionado neoliberalismo, com cortes de orçamento, arrochos salariais e privatizações de empresas estatais como medidas para conter a inflação. No filme, ela enfrenta sucessivas greves de trabalhadores por essas medidas impopulares. A aprovação do seu governo melhora após a vitória na Guerra das Malvinas, quando o “Império Britânico” novamente prova a superioridade militar e retoma da Argentina o controle das ilhas Falklands.

Ainda que com bandeiras ideológicas e partidárias distintas, o pioneirismo de Margaret Thatcher abriu precedentes para que outras mulheres como Michele Bachelet, Angela Merkel, Cristina Kirchner e Dilma Rousseff assumissem o comando de nações ao redor do planeta. 

A Dama de Ferro é uma aula de história contemporânea, que de tão recente, não chegou ainda a ser relatada nos livros didáticos. O ponto de vista é o lado humano dessa mulher diante do poder, tendo a graça e a sensibilidade femininas como marcas na política.

Veja o trailer do filme A Dama de Ferro (2011):


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Esse trem que é pura música, uai!


Buscando inspiração nas montanhas de Minas Gerais, terra natal da minha família materna, e no que o trem representa para a história dos transportes no Brasil e para o imaginário da sociedade brasileira, proponho que audiovejam* esse vídeo da Tocata das Bachianas Brasileiras nº 2, ou O Trenzinho do Caipira, de Heitor Villa-Lobos (1887-1959).





Em 1975, o poeta Ferreira Gullar fez uma bela letra para a melodia d'O Trenzinho do Caipira:
"Lá vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade noite a girar
Lá vai o trem sem destino
Pro dia novo encontrar
Correndo vai pela terra, vai pela serra, vai pelo mar
Cantando pela serra do luar
Correndo entre as estrelas a voar
No ar, no ar,no ar... (...)"
Há uma intertextualidade dessa magnífica composição de Villa-Lobos com a música "E hoje o trem partiu" (Carlos Hardy / Wagner Mineiro), na interpretação do grupo Encontros Casuais [Theatro José de Alencar, Fortaleza(CE), 2009]. Há diálogos entre o trabalho de um monumental compositor brasileiro e a produção contemporânea da música no Ceará.




E hoje o trem partiu (Carlos Hardy / Wagner Mineiro)

"E hoje o trem partiu / deixou atrás de si / certas lembranças /
e diziam que estava / sempre de partida /
E as lembranças se tocavam / e hoje o trem partiu / deixou a estação /

Era um dia frio, um vento de outono / volteava pelas árvores
e os pássaros chilreavam timidamente / era um dia frio /

E hoje o trem partiu / deixou atrás de si / certas lembranças /
e diziam que estava / sempre de partida /
E as lembranças se tocavam / e hoje o trem partiu / deixou a estação

Era um dia frio, um vento de outono / volteava pelas árvores
E os pássaros chilreavam timidamente

E hoje o trem, aquele velho trem / deixou a estação
Seu sonoro apito, inconfundível / soou ao longe"

*audiover é uma proposta de valorização e de apreciação conjunta de som e de imagem nas obras audiovisuais.


Marco Leonel Fukuda
Músico e estudante de Jornalismo

imagem: www.robertoalmeidacsc.blogspot.com